Opções de Tratamento

Cirurgia

Cirurgia ablativa

Pallidotomia e talamotomia são cirurgias não reversíveis que usam aplicação direcionada de calor para destruir tecido neural que conduz os sintomas de Parkinson.

DBS

Estimulação Cerebral Profunda é um procedimento cirúrgico projetado para ajudar a controlar os sintomas motores, permitindo uma redução na medicação. Para que o DBS seja eficaz, o dispositivo deve ser implantado quando os sintomas motores ainda estiverem respondendo ao levodopa; ou seja, antes que as drogas de Parkinson comecem a perder o efeito.

"A maior coisa para mim sobre DBS é consistência. Eu sei como vou me sentir hoje, e amanhã eu posso fazer uma caminhada e não me preocupar que eu não vou ser capaz de voltar para baixo."

—Suzanne F., DBS Paciente

Medicação

Embora o plano de tratamento de cada paciente seja diferente, quase todos começarão com medicamentos, pois esses tendem a ser mais eficazes nos estágios iniciais da doença de Parkinson.

O plano ideal de medicação varia de pessoa para pessoa, e seu médico pode ajudá-lo a encontrar o medicamento certo - ou a combinação de medicamentos - para proporcionar o máximo alívio com o menor número de efeitos colaterais. Com o tempo, à medida que os medicamentos se tornam menos eficazes, as doses podem ser aumentadas e novos medicamentos podem ser adicionados.

Existem inúmeros medicamentos usados para tratar a doença de Parkinson, incluindo:

Levodopa (L-DOPA)

Química "precursor"" que o cérebro se converterá em dopamina. Usado para substituir a dopamina que não está sendo produzida no cérebro de pacientes com mal de Parkinson

Carbidopa

Impede a quebra de Levodopa antes de chegar ao cérebro. Quase sempre dado em conjunto com L-DOPA

Agonistas de dopamina

Pode ser usado no lugar ou em combinação com levodopa

Inibidores catechol-O-metiltransferase (COMT)

Aumenta a concentração de dopamina no cérebro, dando mais oportunidade para a droga funcionar

Anticolinérgicos

Para reduzir tremor ou rigidez

Exercício

Embora o exercício não possa tratar a doença de Parkinson, foi mostrado para retardar o declínio. Em um ensaio clínico de 10.000 pacientes, pelo menos duas horas e meia de atividade física por semana - incluindo força, flexibilidade e exercícios aeróbicos - demonstraram prolongar uma melhor qualidade de vida.

Topo (Inicio)