Doença de Parkinson

Doença de Parkinson
A doença de Parkinson (DP) é um distúrbio neurológico progressivo que afeta sete a dez milhões de pessoas em todo o mundo.1 A DP, que afeta a coordenação motora, é causada por uma deficiência das células que produzem dopamina. A falta de dopamina, uma substância que é usada no cérebro para transmitir sinais, faz com que os sintomas da doença de Parkinson apareçam.

Sintomas
Os sinais característicos da doença de Parkinson incluem distúrbios do movimento, tais como a lentidão do movimento (bradicinesia), incapacidade de se movimentar (acinesia), tremores em repouso, marcha parkinsoniana e rigidez muscular. Ocasionalmente, a doença também provoca depressão, constipação, deficiência de fala, disfunção sexual e demência. A gravidade dos sintomas da doença de Parkinson tende a progredir ao longo do tempo.

Diagnóstico
A falta de um teste definitivo para diagnosticar a DP e confirmá-la é um longo processo. Um especialista em distúrbio de movimentos fará um diagnóstico com base em achados de um histórico médico, revisão de sintomas e um exame neurológico e físico. Podem ser solicitados exames de sangue e de imagem para descartar outras condições que podem causar os sintomas. 2

Tratamento
Atualmente, não há cura para a doença de Parkinson. O tratamento é tipicamente focado em restaurar os níveis de dopamina por meio da administração de medicamentos dopaminérgicos.3 Os padrões atuais para os cuidados do paciente recomendam levodopa como terapia de primeira linha para o controle sintomático durante os estágios iniciais e não complicados da DP. Infelizmente, o tratamento crônico com levodopa leva frequentemente a efeitos colaterais significativos, especialmente discinesias (movimentos involuntários) e flutuações motoras.4

Algumas terapias adicionais para o tratamento dos sintomas graves da doença de Parkinson incluem uma palidotomia (procedimento cirúrgico para destruir uma pequena parte do globo pálido criando uma cicatriz), bem como a estimulação cerebral profunda (DBS). Foram relatados que os dois procedimentos ajudam a reduzir os sintomas da DP.5

Procedimento de DBS
O procedimento de DBS inclui um dispositivo médico simples que envia sinais para o cérebro. Os sinais ajudam a controlar as funções motoras afetadas pelos sintomas de distúrbio de movimentos, como tremor, lentidão e rigidez. 

O médico insere um ou dois fios isolados, chamados de eletrodos, no cérebro. Os eletrodos são conectados ao estimulador (semelhante a um marca-passo), que é inserido normalmente sob a pele no peito. O dispositivo produz impulsos elétricos brandos que estimulam uma região específica do cérebro. Isso pode ajudar a regular os sinais no cérebro, resultando na melhoria dos sintomas da doença de Parkinson. Embora não seja uma cura, a DBS pode ajudar a melhorar as práticas do cotidiano e a qualidade de vida. A maioria das pessoas continuará a tomar medicamentos para a doença de Parkinson, mas muitas vezes em uma dosagem reduzida.

Topo (Inicio)