Diagnóstico

Como a arritmia ventricular é diagnosticada?

Para diagnosticar uma taquicardia ventricular (TV), o médico, inicialmente, usa um eletrocardiograma (ECG). Entretanto, algumas arritmias são intermitentes e nem sempre aparecem em um ECG. Seu médico pode querer outros exames de monitoramento que consigam identificar quando você tem uma arritmia e qual é o seu tipo de ritmo.

Existem dois tipos de taquicardia ventricular que podem ser vistos no ECG:

  • Taquicardia ventricular monomórfica, que no ECG parece a mesma de um batimento para o próximo
  • Taquicardia ventricular polimórfica, que possui mais de um formato no ECG

Frequentemente, as taquicardias ventriculares são definidas quando três ou mais batimentos cardíacos rápidos vêm do mesmo local no ventrículo. Uma taquicardia ventricular também é descrita pelo tempo que ela dura:

  • Taquicardia ventricular não sustentada é uma taquicardia ventricular rápida que para em 30 segundos
  • Taquicardia ventricular sustentada é uma taquicardia ventricular rápida que para depois de 30 segundos ou somente depois de ser tratada

Nos casos de fibrilação ventricular (FV), os pacientes normalmente perdem a consciência muito rapidamente. De maneira geral, os médicos consideram um diagnóstico de fibrilação ventricular quando uma pessoa repentinamente entra em colapso e sofre uma parada cardíaca súbita. Um ECG no momento exato do colapso pode confirmar que o problema com o ritmo é uma fibrilação ventricular.

Normalmente, mais exames são necessários para determinar a causa e os possíveis tratamentos para taquicardia ventricular ou fibrilação ventricular. Um estudo eletrofisiológico (EP) é um exame utilizado para avaliar os ritmos cardíacos de dentro do coração.

Topo (Inicio)