Diagnóstico

Como a doença arterial periférica é diagnosticada? 
O exame mais comum para doença arterial periférica é o índice tornozelo-braquial (ITB). O ITB compara a pressão arterial nas pernas e nos braços (braquial significa "do braço") usando um esfigmanômetro (aparelho de pressão). Se as pressões estiverem diferentes, pode ser que você tenha doença arterial periférica.

Se o ITB mostrar que você tem doença arterial periférica, seu médico pedirá outros exames. Os seguintes exames podem ajudar a mostrar o local da artéria bloqueada e a gravidade do bloqueio.

  • Ultrassom Duplex Doppler - Esse exame usa ondas sonoras para criar uma imagem das artérias. Esse tipo de ultrassom pode também mostrar se o sangue está fluindo suavemente através das artérias.
  • Ressonância Magnética - Ondas de rádio em um campo magnético são utilizadas para criar imagens planas ou tridimensionais das artérias. Se você for portador de um marcapasso ou cardioversor desfibrilador implantável (CDI), confirme com seu médico se você pode ou não fazer esse exame.
  • Angiografia - Para esse exame, você recebe anestesia local. Em seguida, um contraste especial é injetado na artéria através de um pequeno tubo chamado de cateter. O contraste mostra as imagens em raios-X e ajuda a determinar quais são as artérias estreitadas ou bloqueadas.
  • Angiografia por Tomografia Computadorizada (ATC) Para uma ATC, o contraste é injetado em um vaso sanguíneo e radiografias são feitas de ângulos diferentes. Em seguida, um computador analisa as radiografias para formar uma imagem tridimensional das artérias.
Topo (Inicio)